Páginas

Guerra dos Farrapos

Guerra dos Farrapos

quinta-feira, 1 de março de 2012

Texto muito bom retirado do livro A Hora das Bruxas de Anne Rice ( Text very good from the book The Time Witches by Anne Rice )



“A própria vida deve ter como base a infinita possibilidade da escolha e do acaso. E, se não pudermos provar isso, devemos acreditar que é assim. Precisamos acreditar que podemos mudar, que podemos controlar, que podemos dirigir nossos próprios destinos.
Acredito no Livre-Arbítrio, a força Todo-poderosa pela qual nos conduzimos como se fôssemos filhos e filhas de um Deus justo e sábio, mesmo que não exista esse Ser Supremo. E pelo livre-arbítrio, podemos optar por fazer o bem nesta terra, sem nos importarmos com o fato de que todos morreremos, e de que não sabe sabemos para onde vamos quando morrermos, nem se nos aguarda alguma justiça ou explicação.
“Acredito que, através da razão, podemos saber o que é o bem. Acredito na comunhão de homens e mulheres, na qual o perdão dos erros sempre terá maior significado do que a vingança. E acredito que, no belo universo natural que nos cerca, nós representamos os seres melhores e mais perfeitos, pois só nós podemos ver essa beleza natural, apreciá-la, aprender com ela, chorar por ela e procurar conservá-la e protegê-la.
“Acredito, finalmente, que somos a única força moral verdadeira no mundo físico, criadores da ética e dos conceitos morais e que devemos ser tão perfeitos quanto os deuses que criamos no passado para nos orientar.
“Acredito que, através dos nossos melhores esforços, acabaremos por conseguir criar o paraíso na terra; e que já o fazemos sempre que amamos, sempre que abraçamos, sempre que nos comprometemos a criar em vez de destruir, sempre que pomos a vida acima da morte, e o natural acima do que não é natural, na medida em que sejamos capazes de fazer essa distinção.
“E acho que acredito, em última análise, que é possível se atingir uma paz de espírito diante dos piores horrores e das maiores perdas. Ela pode ser atingida através da crença na mudança, na vontade e no acaso; e através da crença em nós mesmos, que iremos com maior freqüência agir com correção diante da adversidade.
“Pois é nosso o poder e a glória, porque somos capazes de visões e idéias que são basicamente mais fortes e mais perenes do que nós mesmos.
“Esse é a minha crença. Por menor que seja seu valor, e é nela que me apóio. E se eu fosse morrer neste exato instante, não sentiria medo. Porque não posso acreditar que nos espere o caos ou o horror.
“Se é que nos aguarda algum tipo de revelação, ela deve ser tão boa quanto nossos ideais e nossa melhor filosofia. Pois sem dúvida a natureza deve abranger o visível e o invisível, e não poderia ser inferior a nós. Aquilo que faz com que as flores se abram e que os flocos de neve caiam deve conter uma sabedoria e um segredo final tão elaborado e lindo quanto a camélia florida ou as nuvens que se reúnem lá em cima, tão brancas e puras na escuridão.
“Se isso não for verdade, somos vítimas de uma ironia assombrosa. E todos os demônios dos infernos bem poderiam estar dançando no salão. O diabo poderia existir. Não haveria nada de errado com as pessoas que queimam outras até a morte. Qualquer coisa valeria.
“Mas o mundo é simplesmente lindo demais para isso.
“Pelo menos, é assim que me parece agora que estou sentado na varanda telada, na cadeira de balanço, com todo o barulho do Carnaval já extinto há muito tempo, escrevendo à luz distante do salão atrás de mim.
“Só nossa capacidade para o bem é tão perfeita quanto essa brisa sedosa que vem do sul, tão perfeita quanto o cheiro da chuva que começa a cair, com um chiado leve ao atingir as folhas reluzentes, tão delicada, tão suave quanto a visão da própria chuva como prata salpicada no tecido da escuridão envolvente.       
( Anne Rice – A Hora das Bruxas II )
 ____________________________________________________________________



"Life itself should be based on the infinite possibility of choice and chance. And if we can not prove this, we believe so. We believe we can change, we can control, we can direct our own destinies.

I believe in Free Will, the all-powerful force in which we conduct ourselves as if we were sons and daughters of God a just and wise, even if there is this Supreme Being. And by free will, we can choose to do good on this earth, without bothering about the fact that all die, and he does not know know where we go when we die, or if we wait any justice or explanation.

"I believe, through reason, we know what is good. I believe in the communion of men and women, in which the forgiveness of errors will always have more meaning than revenge. And I think, in the beautiful natural world around us, we represent the best and most perfect beings, because only we can see this natural beauty, enjoy it, learn from it, weep for her and seek to keep it and protect it .

"I think ultimately we are the only real moral force in the physical world, creators of ethical and moral concepts and that we must be as perfect as the gods we have created in the past to guide us.

"I believe that through our best efforts, we will eventually be able to create heaven on earth, and already we do when we love, when we embrace where we are committed to create rather than destroy, wherever you take your life over the death, and above the natural is not natural, as we are able to make the distinction.

"And I believe that ultimately, it is possible to achieve a peace of mind and face of the worst horrors of the biggest losses. She can be reached through the belief in change, at will and chance, and through belief in ourselves, that we more often act fix the face of adversity.

"For us the power and glory, because we are capable of visions and ideas that are basically stronger and more lasting than ourselves.

"This is my belief. No matter how small its value, and that's where I stand. And if I were to die right now, do not feel fear. Because I can not believe that we expect chaos or horror.

"If we are awaiting some sort of revelation, it must be as good as our ideals and our best philosophy. For surely nature should cover the visible and invisible, and could not be inferior to us. What causes the flowers to open and the snowflakes fall must contain a wisdom and a final secret so elaborate and beautiful as the camellia florida or clouds that gather up there, so white and pure darkness.

"If that's not true, we are victims of an amazing irony. And all the demons of hell might as well be dancing in the salon. The devil could exist. There is nothing wrong with other people who burnt to death. Anything worth.

"But the world is simply too beautiful for that.

"At least, that's how it seems to me now that I'm sitting on the screened porch in a rocking chair, with all the noise of Carnival extinct long ago, writing the distant light of the hall behind me.

"Only our capacity for good is as perfect as this silky breeze from the south, as perfect as the smell of the rain begins to fall, with a slight hiss when it reaches the leaves shiny, delicate, as soft as the vision of own rain like silver flecked darkness surrounding tissue.

(Anne Rice - The Time Halloween II)

O caminho não escolhido ( The path is not chosen )


Num bosque amarelo dois caminhos se separavam,
E lamentando não poder seguir os dois
E sendo apenas um viajante, fiquei muito tempo parado
E olhei para um deles tão distante quanto pude
Até onde se perdia na mata;

Então segui o outro, como sendo mais merecedor,
E tendo talvez melhor direito,
Porque coberto de mato e querendo uso
Embora os que por lá passaram
Os tenham realmente percorrido de igual forma,
E ambos ficaram essa manhã
Com folhas que passo nenhum pisou.
Oh, guardei o primeiro para outro dia!
Embora sabendo como um caminho leva para longe,
Duvidasse que algum dia voltasse novamente.

Direi isto suspirando
Em algum lugar, daqui a muito e muito tempo:
Dois caminhos se separam em um bosque e eu...
Eu escolhi o menos percorrido
E isso fez toda a diferença.

                                               Robert Frost, 1916
_______________________________________________________






In a yellow wood two paths diverged,
And wishing I could follow the two
And being one traveler, long I stood
And one of them looked as far as I could
As far as we lost in the woods;

Then took the other, as being more worthy,
And having perhaps the better right
Because of weeds and wanting to use
Although who passed through the
The have really gone the same way,
And they were both this morning
With leaves no step had trodden.
Oh, I kept the first for another day!
Yet knowing how way leads away,

Doubted that ever come back.

Say this with a sigh
Somewhere, in a long, long time:
Two separate paths in the woods and I ...
I chose the less traveled
And that made ​​all the difference.

Robert Frost, 1916

Aldeia Global ( Global Village )

         

Se a população do mundo fosse reduzida a cem pessoas, teríamos o seguinte: 57 asiáticos e 21 europeus; 14 americanos e 8 africanos; 52 mulheres e 48 homens; 70 não-brancos e 30 brancos; 70 não-cristãos e 30 cristãos; 89 heterossexuais e 11 homossexuais; 6 possuiriam 59% da riqueza do mundo e todos seriam analfabetos; 50 sofreriam subnutrição; 1 estaria para morrer; 1 estaria para nascer; 1 teria computador; 1 teria formação universitária.

Considere ainda: se você acordou saudável, tem mais sorte do que milhões de pessoas que não verão a próxima semana. Se nunca experimentou o perigo de uma batalha, a solidão de uma prisão, a agonia da tortura, a dor da fome, você tem mais sorte do que 500 milhões de habitantes do mundo. Finalmente, se tem um teto para dormir, considere-se mais feliz do que 75% dos habitantes da nossa aldeia global.

(Flávio Alcaraz Gomes)

___________________________________________________________________
 
If the world's population were reduced to one hundred people, would have the following: 57 Asians, 21 Europeans, 14 Americans and 8 Africans, 52 women and 48 men, 70 non-white and 30 white, 70 non-Christians and 30 Christians, 89 heterosexual and 11 homosexual, 6 possess 59% of the world's wealth and all were illiterate, 50 would suffer malnutrition, 1 would be to die, one was to be born, would have a computer, have a college education.

Also consider: if you woke up healthy, are luckier than millions of people who will not see next week. If you have never experienced the danger of battle, the loneliness of imprisonment, the agony of torture, the pain of hunger, you are luckier than 500 million people in the world. Finally, if you have a roof to sleep, consider themselves more fortunate than 75% of the inhabitants of our global village.

(Flavio Gomes Alcaraz)

A pior vontade de viver ( The worst will to live )



Ela é complexa, angustiante, subjetiva e intensa.
Ela, a pior vontade de viver. A que não está
Disposto a negociar com a vontade dos outros

            Todos são tão compreensivos, aceitam tão bem suas escolhas, torcem por tudo o que você faz, não é mesmo? Desde que você faça que está no script. Que siga o que foi determinado no roteiro, aquele que foi escrito sabe-se por lá quem e homologado no instante mesmo em que você nasceu. Mas e quem não quiser seguir este script?
            Clarice Lispector, que entendia de subversões emocionais, morreu há 30 anos e recebeu uma justa homenagem na última terça-feira, no Teatro Renascença, numa performance dirigida pelo incansável Luciano Alabarse e para o qual fui convidada, mas não pude participar. Em função deste evento, estive pensando muito em Clarice e lembrei de como ela descreveu, certa vez, o sentimento de um personagem: “Seu coração enchera-se com a pior vontade de viver”.
            Ela é complexa, angustiante, subjetiva e intensa. Ela, a pior vontade de viver. A que não está disposta a negociar com a vontade dos outros.
            No entanto, esta que foi chamada de a “pior” vontade pode ser também uma vontade genuína e inocente. É a vontade da criança que ainda levamos dentro, entranhada. É o desejo de açúcar, de traquinagem, de fazer algo escondido, de quebrar algumas regras, de imitar os adultos. A “pior” vontade é curiosa, quer observar pelo buraco da fechadura e depois, mais ousadamente, abrir a porta e entrar no quarto proibido. A “pior” vontade é a de não se enraizar, não assinar contrato de exclusividade, não firmar compromisso, não render-se às vontades fixas, apenas às vontades momentâneas, porque as fixas correm o risco de deixar de serem vontade para se transformarem em vaidade – como se sabe, há sempre aqueles que se envaidecem da própria persistência.
            A “pior” vontade não quer ganhar medalha de honra ao mérito, não quer posar para fotografias, não quer completar bodas de ouro nem ser jubilada. A “pior” vontade não faz a menor questão de ser percebida, ela quer ser realizada. É quando você sabe que não deveria, mas vai. Sabe que tomarão como agressão, mas arrisca. Anote: apenas sentem-se agredidos aqueles que te invejam.
            A vontade oficial, a vontade santinha a que não causa incômodo é a outra, a aprovada pela sociedade, a que não leva em conta o que vai no seu íntimo, e sim a opinião pública. É a vontade que todos nós, de certa forma, temos de mostrar para os outros que somos felizes, sem saber que para conseguir isso é preciso, antes, ter a “pior” vontade, aquela que faz você descobrir que ser feliz é ter consciência do efêmero, é saber-se capaz de agarrar o instante, é lidar bem com o que não é definitivo – ou seja, tudo.
            É com esta “pior” vontade de viver que você atrai os outros seu magnetismo cresce, que seu rosto rejuvenesce e que você fica mais interessante. É uma pena que nem todos tenham a sorte de deixar vir a tona esta que Clarice Lispector chamou de a pior vontade de viver, que, secretamente é a melhor.

(Escrito pela colunista de Zero-Hora Martha Medeiros)
__________________________________________________________

It is complex, harrowing, subjective and intense.

She, the worst will to live. What is not

Willing to negotiate with the will of others

Everyone is so understanding, accept their choices as well, cheer for everything you do, do you? Since you do that is in the script. To follow what was given in the script, one that was written up there knows who and approved at the very moment you were born. But those who do not wish to follow this script?

Clarice Lispector, who understood the emotional subversions, died 30 years ago and received a tribute in last Tuesday at the Renaissance Theatre, a performance directed by Luciano Alabarse relentless and for which I was invited but could not attend. Due to this event, I was thinking a lot about Clarice and remembered how she described, once the feeling of a character: "His heart filled with the worst will to live."

It is complex, harrowing, subjective and intense. She, the worst will to live. What is not willing to negotiate with the will of others.

However, this was called the "worst" will also be a genuine desire and innocent. It is the will of the child who still carry inside, embedded. It is the desire for sugar, romp, to make something up, to break some rules, to imitate adults. The "worst" will is curious, wants to look through the keyhole and then more boldly, open the door and enter the forbidden room. The "worst" desire is to not take root, do not sign an exclusive contract, not to enter into compromise, do not surrender to the wills fixed, only to momentary desires, because the fixed risk of ceasing to be free to grow into Vanity - as we know, there are always those who envaidecem's own persistence.

The "worst" will not want to win a medal of honor, not to pose for photographs, not to complete or be golden jubilee Emeritus. The "worst" will not make any question of being perceived, she wants to be held. It's when you know you should not, but it will. You know how to take aggression, but risks. Note: only feel attacked those who envy you.

Will official saint that will not cause a nuisance is another, approved by the society, which takes no account of what goes in their hearts, but public opinion. It is the will that we all, somehow, we have to show to others who are happy without knowing that to achieve this we must first have the "worst" will, one that makes you discover that being happy is to be aware the ephemeral, is to know is able to grab the moment is dealing well with what is not definitive - that is, everything.

It is with this "worse" will to live that you attract others grow their magnetism, which rejuvenates your face and you get more interesting. It is a pity that not everyone has the luck to make this come to light that Clarice Lispector called the worst will to live, who secretly is the best.

(Written by Zero-Hour columnist Martha Medeiros)

APRENDENDO COM OS GANSOS ( LEARNING FROM THE GOOSE


 
            Quando os gansos selvagens voam em formação “V” eles o fazem a uma velocidade 70% maior do que se estivessem voando sozinhos. É que a medida que cada pássaro bate as suas asas, é criada uma sustentação para o pássaro que o segue. Quando o ganso que está no ápice do “V” fica cansado, ele (ou ela) passa para trás da formação e outro ganso voa para a posição de ponta. Durante o vôo os gansos da retaguarda grasnam para encorajar aqueles que vão a frente a manterem suas velocidades. Os gansos não abandonam os fracos. Quando um deles fica doente, ferido ou é abatido, no mínimo, outro ganso sai da formação e segue-o na descida, para ajuda-lo e protege-lo. Ele permanece na sua companhia até que ele possa voar novamente ou morra. Então ele vai em busca de uma outra formação ou se integra ao próprio grupo. Sendo parte de uma equipe, nós também podemos utilizar adequadamente os recursos disponíveis, para que o fruto de nosso trabalho ganhe em qualidade. Se tivermos senso de comunidade como os gansos, saberemos revezar-nos na execução de tarefas difíceis compartilhando uma direção comum. Da próxima vez, ao ver uma formação de gansos voando, lembre-se de que é uma recompensa, um desafio enorme e um grande privilégio poder fazer parte de uma.

                                                           EQUIPE. 
____________________________________________________________________

 When the wild goose fly in formation "V" they do so at a rate 70% higher than they were flying alone. Is that as each bird flaps its wings, it creates a support for the bird that follows. When the goose that is at the apex of the "V" gets tired, he (or she) goes behind the formation and another goose flies to the position of the tip. During the flight the goose honk from behind to encourage those who go forward to keep their speeds. The Goose do not abandon the weak. When one gets sick, injured or killed is at least another goose falls out of formation and follow it downhill to help him and protect him. He remains in his company until it can fly again or dies. Then he goes in search of another formation or joins the group itself. Being part of a team, we can also use resources appropriately so that the fruit of our work to win on quality. If we have a sense of community as goose, we'll rotate them in the execution of difficult tasks sharing a common direction. Next time, seeing a formation of goose flying, remember that it is a reward, a huge challenge and a great privilege to be part of one.

TEAM.

Achei meu caminho ( I found my path )



Achei meu caminho
Mesmo na escuridão
Embora as vezes
Parecesse muito longe
Eu sabia que se eu
Escutasse meu coração
Eu descobriria que o amor
Está onde você está
Fecho meus olhos e vejo
O amanhã
Meus sonhos terminam
E começam com você
Ouvi dizer que
Estaria ao meu lado
Sempre ao meu lado
Preciso acreditar que é verdade
Achei meu caminho
Mesmo na escuridão
Embora as vezes parecesse muito longe
Eu sabia que se eu
Escutasse meu coração
Eu descobriria que o amor
Está onde você está
O amor está onde você está
E onde estiver
É onde eu quero estar
Não importa o que aconteça
Não importa onde você vá
Seus braços são meu lar
Achei meu caminho
Mesmo na escuridão
Embora as vezes parecesse muito longe
De algum modo eu sabia
Que mesmo a primeira vista
Que o amor está onde você está 
____________________________________________________________________

I found my path
Even in the darkness
Although sometimes
Seemed far
I knew that if I
Listen to my heart
I find that the love
You are where you are
Close my eyes and see
tomorrow
My dreams end
And you begin with
I heard that
Would you be by my side
Always by my side
I have to believe it's true
I found my path
Even in the darkness
Although sometimes far seemed
I knew that if I
Listen to my heart
I find that the love
You are where you are
Love is where you are
And where is
It's where I wanna be
No matter what happens
No matter where you go
Your arms are my home
I found my path
Even in the darkness
Although sometimes far seemed
Somehow I knew
The first view that even
That love is where you are

O Anjo da Morte ( The Angel of Death )

         
     

O homem estava pegando as chaves do carro (a mulher já tinha saído para levar as crianças à escola) quando tocaram a campainha.
Vagamente irritado, pois já se atrasou bastante, ele abre a porta:
- Sim?
O rapaz alto e estranho, andrógino, belo e feio, alto e baixo, negro e louro, faz um sinalzinho dobrando o indicador:
- Vim buscar você.
Não era preciso explicar, o homem entendeu na hora: o Anjo do Morte estava ali, e não havia como escapar. Mas, acostumado a negociações, mesmo perturbado ele rapidamente pensou que era cedo, cedo demais, e tentou argumentar:
- Mas, como, o que? Agora, assim sem aviso sem nada? Nem um prazo decente?
A Anjo sorri, um sorriso bondoso e perverso, suspira e diz:
- Mas ninguém tem a originalidade de me receber com simpatia neste mundo, ninguém
nunca está preparado? Está certo que você só tem 40 anos, mas mesmo os de 80 se recusam...
O homem agarrou mais firme a chave do carro, que afinal encontrara no bolso do paleto, e insistiu:
- Vem cá, me dá uma chance.
O Anjo teve pena, aquele grandalhão estava realmente apavorado. Ah, os humanos... Então teve um acesso de bondade e concedeu:
- Tudo bem. Eu te dou uma chance, se você me der três boas razões para não vir comigo desta vez.
(Passava um brilho malicioso nos olhos azuis e negros daquele Anjo?)
O homem aprumou-se, claro, ele sabia que ia dar certo, sempre fora bom negociador. Mas quando abria a boca para começar sua ladainha de razões, muito mais que três, ah, sim, o Anjo ergueu um dedo imperioso:
- Espera aí. Três boas razões, mas... não vale dizer que seus negócios precisam ser organizados, sua familia não está garantida, sua mulher nem sabe assinar cheque, seus filhos nada sabem da realidade. O que interessa é você, você mesmo. Por que valeria a pena ainda te deixar por aqui algum tempo?
“Essa fábula fala do quanto valemos para nós mesmos,
do quanto valemos por nós mesmos, do que realmente
sentimos e pensamos sobre nós.”

____________________________________________________________________



The man was taking the car keys (the woman had already left to take the kids to school) when the doorbell rang.
Vaguely annoyed, because I was late enough, it opens the door:
- Yes?
The tall and strange, androgynous, beautiful and ugly, high and low, black and blond, is a sinalzinho doubling the indicator:
- I came to you.
There was no need to explain, the man understood at the time: the Angel of Death was there, and there was no escape. But, accustomed to negotiations, even upset he quickly thought it was early, too early, and tried to argue:
- But, like, what? Now, nothing like this without warning? Not a decent run?
The Angel smiles a gentle smile and wicked, sighs and says:
- But nobody has the originality to receive me with kindness in this world, no one
not ready? You are correct that you only have 40 years, but even the refuse of 80 ...
The strongest man grabbed the car keys, which ultimately found in the pocket of the suit, and insisted:
- Come on, give me a chance.
The Angel took pity, that big guy was really scared. Ah, the human ... Then he had a fit of kindness and granted:
- Okay. I give you a chance, if you give me three good reasons not to come with me this time.
(He spent a mischievous twinkle in his blue eyes and black that Angel?)
The man straightened up, of course, he knew it would work, had always been good negotiator. But when he opened his mouth to get his litany of reasons, more than three, ah yes, the angel lifted a finger imperative:
- Wait a minute. Three good reasons, but ... not worth to say that your business must be organized, your family is not guaranteed, nor knows his wife to sign a check, your children know nothing of reality. What matters is you, yourself. For it would be worth even leave you here awhile?
"This fable tells of how much we value ourselves,
how much we value ourselves, what really
feel and think about us. "

O Homem Anjo ( The Human Angel )





Era um homem, um homem comum, que um comum destino parecia controlar inteiramente. Um animal doméstico bem treinado.

Um dia sentiu um incômodo nos dois ombros, distensão muscular, má posição no trabalho... Foi piorando e resolveu olhar-se no espelho, de lado, inteiro e nu depois do banho: não havia dúvida, duas saliências oblíquas apareciam em sua pele abaixo dos ombros. Teve medo mas decidiu não comentar com ninguém, e como não transava frequentemente com a mulher, conseguiu esconder tudo quase um mês.

Fez como via fazer sua mulher: pegou de cima da pia um espelho redondo no qual ela ajeitava o cabelo, e passou a analisar todo dia aquele fenômeno que em vez de o assustar agora o intrigava. Curioso mas sem sofrer – pois não doía –, foi observando aquilo crescer.

E pensava:

Nem adianta ir ao médico, porque se for um tumor ( ou dois) tão grande, não tem mais remédio, é melhor morrer inteiro do que cortado.

Certa vez, quando se masturbava no banheiro, na hora do prazer sentiu que elas enfim se lançavam de suas costas, e viu-se enfeitado com elas, desdobradas como as asas de um cisne que apenas tivesse dormido e, acordando, se espojasse sobre as águas.

Ficou ali, nu diante do espelho, estarrecido.

Agora ele não era um apenas um homem comum com contas a pagar, emprego a cumprir, familia a sustentar, filhos a levar para o parque, horários a cumprir: era um homem com um encantamento.

Eram umas asas muito práticas aquelas, porque desde que usasse camisa um pouco larga acomodavam-se maravilhosamente debaixo das roupas. Em certas noites, quando todos dormiam, ele saía para o terraço, tirava a roupa e varava os ares.

Sua mulher notou alguma coisa diferente no corpo de seu marido. Estava ficando curvado, tantas horas na mesa de trabalho. Nada mais que isso. Embora a mãe lhe tivesse dito que “com homem é sempre melhor confiar desconfiando”, daquele seu homem pacato ela jamais imaginaria nada muito singular.

- Você vai acabar corcunda desse jeito, aprume-se – ela dizia no seu tom de desaprovação conjugal.

As coisas se complicaram quando, já habituado à sua nova condição, o homem-anjo olhou em torno e, sendo ainda apenas um homem com asas, sentiu-se muito só. E começou a pensar nisso. E olhou em torno e se apaixonou.

Na primeira noite com sua amante, esqueceu o problema, tirou a roupa toda, e quando ela começava a apalpar-lhe as costas o par de asas de abriu, arqueou-se unindo as pontas no alto por cima dele, na hora do supremo prazer.

Mas essa mulher/amante não se assustou, não se afastou.

Apertou-se mais a ele, e dizia: vem comigo, vem comigo...

E abriu suas asas também.
 

“Esta fabula fala de amor, de parceria no amor,
de encontrar quem possa ser nosso cúmplice,
muito além e acima de convenções,
receitas e “modas”

 __________________________________________________________

 

He was a man, an ordinary man, a common fate seemed entirely control. A well trained pet.

One day he felt a discomfort in both shoulders, muscle strain, poor position at work ... It was getting worse and decided to look in the mirror, sideways, round and naked after a bath: no doubt, two oblique projections appeared on her skin below her shoulders. She was afraid but decided not to comment to anyone, and often as not slept with his wife, managed to hide it almost a month.

Made as a way to make his wife took over the sink for a round mirror in which she straightened her hair, and went on to examine that phenomenon every day instead of the scare now intrigued. Curious but without suffering - because it did not hurt - he was watching it grow.

And I thought:

Do not even go to the doctor, because if a tumor (or two) so great, no more medicine, it is better to die than full cut.

Once when I was masturbating in the bathroom, the pleasure felt when they finally threw up his back, and saw himself adorned with them, unfolded like the wings of a swan that had just fallen asleep and waking up, if espojasse on water.

He stood naked before the mirror, horrified.

Now he was not just an ordinary man with bills to pay, jobs to perform, the family support, children to take to the park, set schedule, was a man with a spell.

Wings were very practical ones, because since I wore a little shirt wide settled down beautifully under clothes. On certain nights, when everyone was asleep, he went to the terrace, undressed, and pierced the air.

His wife noticed something different in the body of her husband. It was getting bent, so many hours on the desktop. Nothing more than that. Although the mother had told him that "man is always better to rely suspicious," that her man she had ever imagined quiet nothing too unique.

- You will end up a hunchback like that, aprume up - she said disapprovingly in your marriage.

Things get complicated when, already accustomed to their new condition, man-angel looked around and, still just a man with wings, she felt very lonely. And he began to think about it. He looked around and fell in love.

The first night with his lover, forget the problem, took all the clothes, and when she began to grope her back a pair of wings opened, arched joining the tips at the top over it, at the time of supreme pleasure .

But this woman / lover was not frightened, did not depart.

Pressed herself closer to him, and said come with me, come with me ...

And he opened his wings, too.


"This fable about love, love in partnership,

to find someone to be our accomplice,
beyond and above conventions,
revenue and "fashions"



Invictus, o poema que inspirou Nelson Mandela ( Invictus, the poem that inspired Nelson Mandela )

Mais de um século após ser escrito, o poema "Invictus", do britânico William Ernest Henley continua fascinando e influenciando pessoas em todo o mundo. Certamente, Henley, o mais velho de seis filhos, não imaginou que tanto tempo depois suas palavras - escritas em 1875 - inspirariam um personagem importante da história não só da África, mas mundial: Nelson Mandela.

Quando aprisionado em Robben Island, onde cumpria pena de trabalhos forçados, o líder sul-africano, símbolo da luta contra o Apartheid, encontrou nas palavras de Henley a esperança e a força necessárias para manter-se vivo. Mandela conta que toda vez que começava a esmorecer, lia e relia o texto, em busca de um "companheiro" para a dor.


 
Invictus

Do fundo desta noite que persiste
A me envolver em breu - eterno e espesso,
A qualquer deus - se algum acaso existe,
Por mi’alma insubjugável agradeço.
Nas garras do destino e seus estragos,
Sob os golpes que o acaso atira e acerta,
Nunca me lamentei - e ainda trago
Minha cabeça - embora em sangue - ereta.
Além deste oceano de lamúria,
Somente o Horror das trevas se divisa;
Porém o tempo, a consumir-se em fúria,
Não me amedronta, nem me martiriza.
Por ser estreita a senda - eu não declino,
Nem por pesada a mão que o mundo espalma;
Eu sou dono e senhor de meu destino;
Eu sou o comandante de minha alma.

____________________________________________________________



More than a century after being written, the poem "Invictus" by William Ernest Henley UK continues to fascinate and influence people around the world. Certainly, Henley, the eldest of six children, did not think so long after his words - written in 1875 - would inspire a character in the history not only of Africa but world: Nelson Mandela.

While imprisoned on Robben Island, where he was serving sentence at hard labor, the South African leader, symbol of the struggle against apartheid, Henley found in the words of hope and strength to stay alive. Mandela says that every time was waning, read and reread the text, searching for a "companion" for the pain.

Invictus

Bottom of the night that persists
The pitch to get involved in - eternal and thick
At any god - if there is any chance,
Why thank mi'alma insubjugável.

In the grip of fate and its ravages,
Under the blows that chance throws and hits,
I never regretted it - and still bring
My head - although in blood - upright.

In this ocean of whining,
Only the Horror of darkness currency;
But the time to be consumed in anger
Do not frighten me, torment me not.

Being close to the path - I do not downhill,
Not for the heavy hand that the world espalma;
I am lord and master of my fate;
I am the captain of my soul.