Páginas

Guerra dos Farrapos

Guerra dos Farrapos

domingo, 30 de setembro de 2012

Pecado é não gozar a vida



O homem nasceu para se realizar na vida, mas tudo depende dele.
Ele pode não alcançar.
Pode continuar respirando, pode continuar comendo, envelhecendo, pode continuar indo em direção à sepultura -, mas isso não é vida.
Isso é uma morte gradativa, do berço à sepultura, uma morte gradual ao longo de setenta oitenta anos.
A vida não deve ser simplesmente um envelhecer - Qualquer animal é capaz de envelhecer
A vida deve ser um crescer – crescer é um privilégio dos seres humanos e apenas uns poucos reivindicam esse direito.
Crescer significa penetrar, a cada momento, mais profundamente nos princípios da vida; significa ir se afastando da morte – e não seguir em direção a morte.
Quanto mais fundo você for na vida, mais perceberá a imortalidade dentro de si.
Para crescer apenas observe uma árvore. À medida que a árvore cresce, suas raízes se aprofundam.
Na vida, crescer significa aprofundar-se dentro de si mesmo – é aí que suas raízes se encontram.
Pra mim, o princípio fundamental da vida é a meditação.
Meditação significa mergulhar na sua imortalidade, mergulhar na sua eternidade, mergulhar na sua divindade.
E a criança é a pessoa mais qualificada, porque ainda não foi contaminada pelo conhecimento, contaminada pela religião, pela educação, por todo tipo de lixo. Ela é inocente.

Mas infelizmente sai inocência está sendo condenada como ignorância.
Uma criança pequena não tem ambições, não tem desejos.
Ela está absorvida pelo momento – um pássaro voando prende sua atenção totalmente; apenas uma simples borboleta, suas lindas cores, e a criança fica encantada.
A inocência é rica, é plena, é pura.
A ignorância é pobre, é um mendigo – ela quer isso, quer aquilo, quer ser culta, quer ser respeitada, quer ser rica, quer ser poderosa.
A ignorância se move pelo caminho do desejo.
A inocência é um estado livre de desejos.
Quando você chegar a entender que perdeu sua vida, o primeiro princípio a ser trazido de volta é a inocência.
Abandone o seu conhecimento, esqueça as escrituras, esqueça suas religiões, suas teologias.
Volte a nascer, torne-se inocente – e isso está em suas mãos.
Limpe sua mente de tudo que não é seu conhecimento próprio, de tudo que é emprestado, de tudo que veio através da tradição, dos costumes, de tudo que foi dado a você pelos outros – pais, professores, universidades.
Simplesmente livre-se de tudo isso.
Volte a ser simples. Uma criança novamente.
A vida deve ser uma busca – não um desejo, mas uma procura; não uma ambição para se tornar isso ou aquilo, mas uma busca para descobrir “quem sou eu?”
É muito estranho que as pessoas que não saibam quem elas são estejam tentando tornar-se alguém.
Elas não conhecem o seu próprio ser.
E descobrir o seu ser é o começo da vida.
Então cada momento traz uma nova descoberta, cada momento traz uma nova alegria.
Um novo mistério abre suas portas, um novo amor começa a crescer em você – uma nova compaixão, que você nunca sentiu antes, uma nova sensibilidade para a beleza, para a bondade.
À medida que você se torna mais sensível, a vida vai ficando maior.
A vida não é um pequeno lago, ela se torna oceânica.
Não fica limitada a você, e à sua esposa e às suas crianças – ela não tem limite algum.
Toda essa existência se torna sua família e, ao menos que toda a existência passe a ser sua família, você não conheceu o que é a vida – porque nenhum homem é uma ilha, estamos todos relacionados.
Somos um vasto continente, ligados de milhões de maneiras.
E se nossos corações não estiverem cheios de amor pelo Todo, nossas vidas se tornarão menor na mesma proporção.
A meditação lhe trará sensibilidade, uma profunda sensação de pertencer ao mundo.
Esse mundo nos pertence, as estrelas nos pertencem.
Nós não somos estrangeiros aqui!
Nós somos partes da existência – somos o seu coração.
E a partir dessa compreensão, um profundo silêncio virá – porque todo lixo do conhecimento se foi.
Os pensamentos, que são parte desse conhecimento, também se foram...
Um imenso silêncio... E você fica surpreso: este silêncio é a única música que existe.

Ser louco é ser são ( Being crazy is being are )



O mundo tem conhecido pessoas tão bonitas, tão loucas!
Suas loucuras tiveram expressão porque elas não eram miseráveis, elas não estavam ansiosas, não tinham medo da morte.

Elas simplesmente viviam cada momento com totalidade e intensidade e, por causa dessa totalidade, dessa intensidade, suas vidas se tornaram uma linda flor – elas estavam cheias de fragrância, de amor, de vida e de riso.

Mas é preciso ter coragem e, se as pessoas disserem que você é louco, divirta-se com a idéia.

Neste mundo, somente pessoas loucas podem ser alegres e felizes, podem cantar e dançar.

As pessoas ditas sãs vivem angustiadas, infelizes e não aceitam a idéia de que você tenha alcançado algo que elas perderam. Por isso, tentarão, de todas as maneiras, torná-lo infeliz.

Toda a nossa educação gera uma divisão em nossa mente.

Temos que mostrar uma face para a sociedade, para a multidão, para o mundo – e não será necessariamente a sua face real.

Na verdade, não pode ser a sua face verdadeira.

Você tem de mostrar a face que as pessoas gostam, que as pessoas apreciam, que será aceita por elas – por suas ideologias, suas tradições.

E assim, naturalmente, sua máscara se torna cada vez mais e mais parte de você, mais do que a sua verdadeira natureza.

E a sociedade cria o medo em todo mundo – o medo da rejeição, o medo de que alguém possa rir de você, o medo de perder a sua respeitabilidade, o medo do que as pessoas irão dizer.

Você tem de se ajustar a todo tipo de pessoas cegas e inconscientes, você não pode ser você mesmo.

E essa é a nossa tradição básica: ninguém tem permissão para ser ele mesmo.

Quando você está só, no seu banheiro, você se torna uma criança – às vezes, faz caretas diante do espelho.

Mas se, de repente, você se dá conta de que alguém, até mesmo uma criança pequena, está olhando pelo buraco da fechadura, você imediatamente muda.

Você volta para a sua velha personalidade de sempre – você fica sério, sóbrio, como as pessoas esperam que você seja.

E a coisa mais impressionante é que você tem medo delas, e elas têm medo de você. Ninguém está permitindo que seus sentimentos, sua realidade, sua autenticidade se expressem.

Esteja alerta!

Sua autenticidade é apenas com seu próprio ser.

Mesmo que as pessoas o respeitem, e achem que você é um homem muito sensato, honrado, ilustre, essas coisas não vão nutrir o seu ser.

Você está só nesse mundo: você veio só, você está aqui só, e você deixará esse mundo só.

A sua preocupação exclusiva deveria ser cuidar e proteger aquelas qualidades que você pode levar consigo quando a morte destruir o seu corpo, a sua mente – porque essas qualidades serão seus únicos companheiros. Elas são os únicos valores verdadeiros; e as pessoas que as alcançam, somente estas vivem; as outras apenas fingem viver.

_______________________________________________________________

 The world has known people so beautiful, so crazy!His expression had follies because they were not miserable, they were not anxious, not afraid of death.They just lived each moment with intensity and totality and because of this all, this intensity, their lives have become a beautiful flower - they were full of fragrance of love, life and laughter.But it takes courage and if people say you're crazy, have fun with the idea.In this world, only mad people can be cheerful and happy, can sing and dance.People said healthy living distressed, unhappy and do not accept the idea that you have achieved something they lost. So try, by all means, make him unhappy.Our whole education creates a division in our minds.We have to show one face to society, to the crowd, to the world - and not necessarily their real face.In fact, can not be your real face.You must show the face that people like, that people appreciate, which will be accepted by them - by their ideologies, their traditions.And so, naturally, his mask is becoming more and more part of you, rather than your true nature.And society creates fear in everybody - the fear of rejection, the fear that someone might laugh at you, the fear of losing their respectability, the fear of what people will say.You have to adjust to all kinds of people who are blind and unconscious, you can not be yourself.And that is our basic tradition: no one is allowed to be himself.When you're alone in your bathroom, you become a child - sometimes grimacing in the mirror.But if, suddenly, you realize that someone, even a small child, looking through the keyhole, you immediately change.You go back to your old personality ever - you're serious, sober, like people expect you to be.And the most amazing thing is that you are afraid of them, and they are afraid of you. Nobody is allowing your feelings, your reality, your authenticity to express themselves.Be alert!Its authenticity is only to his own being.Even if the people respect, and feel that you are a very wise man, honored, illustrious, these things will not nourish your being.You are alone in this world: you come alone, you're here alone, and you leave this world alone.Your sole concern should be to take care and protect those qualities that you can take with you when death destroy your body, your mind - because these qualities are his only companions. They are the only true values, and the people who reach only those living, the others only pretend to live.

Rótulos ( Labels )



Perceba que uma criança nasce pura, inocente, natural, integral.
Quando uma criança nasce, ela não é Hindu nem cristã e nem muçulmana, porque a consciência não pode pertencer a nenhuma seita.
A consciência pertence ao Todo.
Uma criança simplesmente é! Ela é inocente de todo esse absurdo de Hindus, budistas, cristãos...
Uma criança é puro espelho.
Uma criança nasce com liberdade, mas imediatamente a sociedade começa a matar sua liberdade.
Um molde tem de ser dado, um padrão.
Se vc nasce numa família Hindu, Budista, Cristã, seus pais começarão a lhe ensinar seus dogmas (pontos fundamentais e indiscutíveis de uma doutrina religiosa).
Um homem religioso não é um Hindu, um Budista, um Cristão ou um muçulmano.
Todos esses são caminhos de conhecimento.
Veja... Um cristão diz: “Eu sei”. E esse conhecimento vem de dogmas cristãos.
O Hindu diz: “Eu tb sei”. E seus conhecimentos vêm dos Vedas, dos Gitas e de seus dogmas.
E um Cristão é contra um Hindu porque ele diz: “Se eu estou certo, vc não pode estar certo”.
Assim há grande argumentação e há muita disputa e muitos debates e conflitos desnecessários.
Não faz sentido que vc seja um Hindu, ou um Cristão ou um Budista, se vc não conhece seu ser.
Esses rótulos não fazem sentido.
Tudo isso é irrelevante, pois o ser não é nem Hindu, nem Cristão, nem Indiano, nem Americano, nem Chinês.
O ser é simplesmente puro estado de ser
Esse puro estado de ser eu chamo Deus.
Se vc puder compreender sua divindade interior, vc compreendeu o que é a vida.

Mas a sociedade fornece conceitos, preconceitos e sistemas e religiões...
E assim vc nunca será capaz de olhar diretamente – a sociedade estará sempre ali para interpretar.
Perceba se vc está consciente quando diz que algo é bom ou ruim.
Esse é realmente seu sentimento ou é apenas uma interpretação da sociedade?
Então ponha seus preconceitos de lado e olhe diretamente para as coisas.
E a meditação é uma técnica completamente diferente da oração.
Não há nenhuma necessidade de acreditar, nenhuma necessidade de se mover em direção ao outro – vc está sozinho.
Meditação não é algo feito pela mente.
Ela é a ausência da mente.
Quando a mente pára, a meditação acontece.
Não é algo que surja da mente.
É algo além da mente.
Mas vc tem de acordar a si mesmo
_____________________________________________________________

 Realize that a child is born pure, innocent, natural, integral.
When a child is born, she is not Hindu nor Christian nor Muslim, because consciousness can not belong to any sect.
Consciousness belongs to the whole.
A child just is! She is innocent of all this nonsense of Hindus, Buddhists, Christians ...
A child is pure mirror.
A child born in freedom, but once society starts killing its freedom.
A mold must be given a pattern.
If you are born in a Hindu family, Buddhist, Christian, her parents begin to teach their dogmas (fundamental and indisputable points of religious doctrine).
A religious man is not a Hindu, a Buddhist, a Christian or a Muslim.
All these are ways of knowing.
See ... A Christian says: "I know." And that knowledge comes from Christian dogmas.
The Hindu says: "I know tb." And his knowledge comes from the Vedas, the Gitas and its dogmas.
And a Christian is against a Hindu because he says: "If I'm right, you can not be right."
So there is a great argument and there is much dispute and many debates and unnecessary conflict.
It makes no sense that you are a Hindu or a Christian or a Buddhist, if you do not know your being.
These labels do not make sense.
All this is irrelevant because being is neither Hindu nor Christian, neither Indian nor American nor Chinese.
Being is simply pure state of being
This pure state of being I call God.
If you can understand your inner divinity, you understand what life is.
But the company provides concepts, prejudices and systems and religions ...
And so you will never be able to look directly - society will always be there to interpret.
Realize if you are conscious when he says something is good or bad.
This really is your feeling or is it just an interpretation of society?
So put your prejudices aside and look into things.
And meditation is a completely different technique of prayer.
There is no need to believe, no need to move toward each other - you are alone.
Meditation is not something done by the mind.
It is the absence of mind.
When the mind stops, meditation happens.
It is not something that arises from the mind.
It is something beyond the mind.
But you have to wake yourself

Dê a volta por cima das rotinas da mente ( Give a comeback routines of mind )



Sentindo-se triste? Dance ou vá tomar uma ducha e veja a tristeza desaparecer de seu corpo. Sinta como a água que bate em você leva junto a tristeza, da mesma forma que leva embora o suor e a poeira de seu corpo.
Coloque sua mente em uma situação tal que ela não seja capaz de funcionar de maneira habitual. Qualquer coisa serve. Afinal, todas as técnicas que foram desenvolvidas ao longo dos séculos não passam de tentativas para distrair a mente e demovê-la dos velhos padrões.
Por exemplo, se você estiver se sentindo irritado, inspire e expire profundamente durante apenas dois minutos e veja o que acontece com a sua raiva.

Ao respirar profundamente, você terá confundido sua mente, pois ela não é capaz de correlacionar as duas coisas. "Desde quando", a mente começa a se perguntar, "alguém respira profundamente quando está com raiva? O que está acontecendo?"


A dica é nunca se repetir. Caso contrário, se toda vez que se sentir triste você for para o chuveiro, a mente transformará isso num hábito. Após a terceira ou quarta vez, ela aprenderá: "Isso é algo permitido. Você está triste, então é por isso que está tomando uma ducha." Nesse caso, a ducha irá apenas transformar-se em parte de sua tristeza. Seja inovador, seja criativo. Continue confundindo a mente.

eu companheiro diz algo e você se sente irritado. Em vez de bater nele ou jogar alguma coisa em sua direção, mude o padrão do pensamento: dê-lhe um abraço e um beijo. Confunda-o também! De repente, você perceberá que a mente é um mecanismo e que ela se sente perdida com o que é novo.

Abra a janela e deixe novos ventos entrarem.
 
Osho
______________________________________________________________________
 
Feeling sad? Dance or go take a shower and see the sadness away from your body. Feel like water that hits you take along the sadness, the same way that takes away the sweat and dust from his body.
Put your mind in a situation where she is not able to function in the usual way. Anything will do. After all, all the techniques that have been developed over the centuries are merely attempts to distract the mind and dissuade her from old patterns.
For example, if you are feeling angry, inhale and exhale deeply for two minutes and see what happens with your anger.

When you breathe deeply, you have confused your mind, because she is not able to correlate the two. "Since when," the mind begins to wonder, "breathe deeply when someone is angry? What is happening?"

The trick is never to be repeated. Otherwise, if every time you feel sad you go to the shower, the mind will turn it into a habit. After the third or fourth time, she'll learn: "This is something allowed. You're sad, so that's why you're taking a shower." In this case, the shower will just become part of your sadness. Be innovative, be creative. Keep confusing the mind.
I companion says something and you feel angry. Instead of hitting him or throw something in your direction, change the pattern of thought: give him a hug and a kiss. Confuse him too! Suddenly, you realize that the mind is a mechanism and that she feels lost with what is new.

Open the window and let new winds come.

Osho