Páginas

Guerra dos Farrapos

Guerra dos Farrapos

domingo, 7 de abril de 2013

OS GAÚCHOS


Piada de Português e de Gaúcho...
Todo mundo sabe que os sujeitos mais comuns nas piadas contadas por todo
o Brasil ou são portugueses ou são gaúchos. Mas poucos sabem o porquê! As
origens estão na nossa história e na psicologia humana. Vamos começar
pelos portugueses!
Eles são estereotipados como completos idiotas. Os portugueses colonizaram
o Brasil por mais de 300 anos. Eles chegaram no Brasil, levaram todas as
nossas riquezas, ignoraram os nossos interesses, e, ainda por cima comiam
as nossas índias nativas e as negras trazidas para cá. Que imagem nós
poderíamos criar deles? O que poderíamos falar deles hoje em dia? Será
que poderíamos dizer: - Oh! Eles descobriram o Brasil. Eles são nossos
heróis! Claro, que não! Depois de tudo que eles fizeram, só podem ser
'heróis' nas nossas piadas. Nos resta chamá-los de tontos e estúpidos.
Mas de idiotas eles não tem nada. Por um grande período da história, o
império Português foi tão forte quanto fora o Império Romano e o quanto é
atualmente o Império Americano...
E os gaúchos...?
Assim como os portugueses, os gaúchos colonizaram o Brasil. O povo gaúcho
tem tradição e história. Os gaúchos são guerreiros, formaram a sua própria
República! Encabeçaram uma revolução que acabou com a Republica Velha do
café com leite e introduziu o Estado Novo. A maior parte dos presidentes e
ditadores brasileiros foram gaúchos. O povo gaúcho é o mais politizado e o
seu Estado o de melhor qualidade de vida. Em todos estados brasileiros
existem gaúchos bem sucedidos. Alem de colonizar e desenvolver todos os
estados por onde passam, os gaúchos traçam as mulheres que ali habitam. Os
gaúchos põem chifre nos 'machos' locais e deixam as suas mulheres
apaixonadas. As cariocas, catarinenses, paranaenses, paulistas, mineiras,
cearenses, adoram um gaúcho... e, o que resta para eles (os cariocas,
catarinenses, paranaenses, paulistas e mineiros...)? Além de manter
lustrado o par de chifres, resta a eles inventarem piadas de gaúcho, onde
os gaúchos são estereotipados como veados, para seu deleite e prazer.
Portanto gauchada, tenham um pouco de piedade, esta é a única alegria dos
não gaúchos. Enquanto eles se divertem em alguma roda inventando e
contando piadas de gaúcho, as suas mães, irmãs ou namoradas se divertem
com um gaúcho.
Gaúchos de todo o Brasil, convençam-se de uma coisa, eles não sabem como
fazer uma mulher feliz, mas tem bastante criatividade para fazer piada.
Divirtam-se então com as piadas e satisfaçam as mulheres dos não
gaúchos invejosos.

O RIO GRANDE DO SUL NÃO É UM ESTADO, É UM PAÍS!

Arnaldo Jabor
_______________________________________________________
Joke of Portuguese and Gaucho ...
Everyone knows that the subjects most common in jokes throughoutBrazil or 
Portuguese are or are gauchos. But few know why! Theorigins are in our history 
and human psychology. Let's get startedby the Portuguese!
They are stereotyped as idiots. The Portuguese colonizedBrazil for over 300 years. They arrived in Brazil, led allour wealth, ignoring our interests, and, moreover ateour native Indians and the blacks brought here. What image wewe create them? What could we talk about them today? Willwe might say, - Oh! They discovered Brazil. They are ourheroes! Of course, not! After all they did, can only be'Heroes' in our jokes. In the remaining call them idiots and stupid.But the idiots they have nothing. For a long period of history,Portuguese empire was as strong as outside the Roman Empire and how much iscurrently the American Empire ...And the Gauchos ...?
As the Portuguese colonized Brazil gauchos. The gauchohas tradition and history. Gauchos are warriors, formed their ownRepublic! Spearheaded a revolution that ended the Old Republiclatte and introduced the Estado Novo. Most presidents andBrazilian gauchos were dictators. The gaucho is more politicized andhis State of the better quality of life. In all Brazilian statesGauchos are successful. In addition to colonize and develop allstates through which the gauchos trace women who live there. TheGauchos put horn in 'male' sites and leave their wivespassionate. The Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais,Ceará, a gaucho love ... and, what is left for them (the locals,Santa Catarina, Paraná, São Paulo and Minas Gerais ...)? Besides keepingpolished pair of horns, they left to invent jokes gaucho, whereGauchos are stereotyped as deer, for your delight and pleasure.So gauchada, have a little pity, this is the only joy ofnot gauchos. While they revel in inventing any wheel andGaucho telling jokes, their mothers, sisters or girlfriends have funwith a gaucho.
Gauchos from all over Brazil, convince themselves of something they do not know howmake a woman happy, but have enough creativity to make jokes.Have fun with the jokes and then meet women of notGauchos envious.

RIO GRANDE DO SUL IS NOT A STATE, IS A COUNTRY!

Arnaldo Jabor

Fui criado com princípios morais comuns ( I was raised with common moral principles )



Quando eu era pequeno, mães, pais, professores, avós, tios, vizinhos, eram autoridades dignas de respeito e consideração. Quanto mais próximos ou mais velhos, mais afeto. Inimaginável responder de forma mal educada aos mais velhos, professores ou autoridades… Confiávamos nos adultos porque todos eram pais, mães ou familiares das crianças da nossa rua, do bairro, ou da cidade… Tínhamos medo apenas do escuro, dos sapos, dos filmes de terror… Hoje me deu uma tristeza infinita por tudo aquilo que perdemos. Por tudo o que meus netos um dia enfrentarão.
Pelo medo no olhar das crianças, dos jovens, dos velhos e dos adultos. Direitos humanos para criminosos, deveres ilimitados para cidadãos honestos. Não levar vantagem em tudo significa ser idiota. Pagar dívidas em dia é ser tonto… Anistia para corruptos e sonegadores… O que aconteceu conosco? Professores maltratados nas salas de aula, comerciantes ameaçados por traficantes, grades em nossas janelas e portas. Que valores são esses? Automóveis que valem mais que abraços, filhas querendo uma cirurgia como presente por passar de ano. Celulares nas mochilas de crianças. O que vais querer em troca de um abraço? A diversão vale mais que um diploma. Uma tela gigante vale mais que uma boa conversa. Mais vale uma maquiagem que um sorvete. Mais vale parecer do que ser… Quando foi que tudo desapareceu ou se tornou ridículo?
Quero arrancar as grades da minha janela para poder tocar as flores! Quero me sentar na varanda e dormir com a porta aberta nas noites de verão! Quero a honestidade como motivo de orgulho. Quero a vergonha na cara e a solidariedade. Quero a retidão de caráter, a cara limpa e o olhar olho-no-olho. Quero a esperança, a alegria, a confiança! Quero calar a boca de quem diz: “temos que estar ao nível de…”, ao falar de uma pessoa. Abaixo o “TER”, viva o “SER”. E viva o retorno da verdadeira vida, simples como a chuva, limpa como um céu de primavera, leve como a brisa da manhã!
E definitivamente bela, como cada amanhecer. Quero ter de volta o meu mundo simples e comum. Onde existam amor, solidariedade e fraternidade como bases. Vamos voltar a ser “gente”. Construir um mundo melhor, mais justo, mais humano, onde as pessoas respeitem as pessoas. Utopia? Quem sabe?… Precisamos tentar… Quem sabe comecemos a caminhar transmitindo essa mensagem… Nossos filhos merecem e nossos netos certamente nos agradecerão!”.
Arnaldo Jabor
__________________________________________________________________


When I was little, mothers, fathers, teachers, grandparents, uncles, neighbors, authorities were worthy of respect and consideration. The closer or older, more affection. Unimaginable respond poorly educated elders, teachers or trusted authorities ... because all the adults were fathers, mothers or family members of children on our street, neighborhood or city ... We were just afraid of the dark, of frogs, of films terror ... Today gave me infinite sadness for all that we lost. For all that one day my grandchildren will face.
The fear in the eyes of children, young people, the elderly and adults. Human rights for criminals, unlimited obligations to honest citizens. Do not take advantage of everything it means to be an idiot. Paying debts on time is being dizzy ... Amnesty for tax evaders and corrupt ... What happened to us? Mistreated teachers in classrooms, traders threatened by drug dealers, bars on our windows and doors. What are these values? Cars that are worth more than hugs, daughters wanting a surgery like this for a passing grade. Cell Phones in the backpacks of children. What will you want in exchange for a hug? The fun is worth more than a diploma. A giant screen is better than a good conversation. Better a makeup that ice cream. Better advice than to be ... When did all disappeared or became ridiculous?
I want to rip the bars of my window to be able to touch the flowers! I want to sit on the porch and sleep with the door open on summer nights! I want honesty as a source of pride. I want the shame and solidarity in the face. I want the uprightness of character, clean face and eye-to-eye. I want to hope, joy, trust! I want to shut up who says, "we have to be at the level of ..." when speaking of a person. Below the "TER", living the "BE". And live the return of real life, simple as rain, clean as a spring sky, light as the morning breeze!
And definitely beautiful, as each dawn. I want to take back my world simple and common. Where there is love, solidarity and fraternity as bases. Let's go back to "us." Build a better, more just, more humane, where people meet people. Utopia? Who knows ... Who knows ... We need to try to start walking conveying that message ... Our children deserve and certainly our grandchildren thank us. "
Arnaldo Jabor

Texto de Raul Seixas ( Text by Raul Seixas )


Eu sou um pacifista, trabalho pela paz e para um mundo melhor.

Trabalho contra os caretas do mundo, contra o torpor, a imprecação, contra a arapuca que nos foi armada e durante séculos vivemos conformados, presos nela comendo o alpiste que nos dão. E o pior é que os que prepararam a arapuca também caíram nela, comem do mesmo alpiste e não sabem disso.

Trabalho para sair da arapuca com todos os que estão querendo ser pássaros livres outra vez. Os que estão cegos ficarão soterrados dentro dela quando ela desabar.

Sou um pacifista, a mando de forças exteriores.

Pensando que estão por cima, os imbecis vivem dentro do mesmo esquema: a neurose, a preocupação criminosa e doentia de manter-nos a todos dentro da armadilha. Mas é preciso sair dela de qualquer maneira, é a única salvação ou seremos eternos pássaros tristes, presos numa arapuca com alpiste racionado. Eu quero ver o mundo do cume alto de uma montanha!!!

Raul Seixas
_____________________________________________________________
I am a pacifist, working for peace and for a better world.

Labor faces against the world, against the torpor, the imprecation against the trap we were armed and live for centuries shaped, it stuck eating the birdseed that give us. And the worst is that those who prepared the trap also fell on her, even eat the birdseed and not know it.

Working out of the trap with all the birds that are wanting to be free again. Those who are blind will be buried inside her when she collapsed.

I am a pacifist, at the behest of outside forces.

Thinking they are above the imbeciles live within the same scheme: the neurosis, the concern criminal and unhealthy to keep us all inside the trap. But we must get out of it anyway, is the only salvation or eternal birds will be sad, stuck in a trap with birdseed rationed. I want to see the world from a mountain ridge!!

Raul Seixas

Perder a viagem ( Losing trip )


Você pede ao patrão para sair mais cedo do trabalho, pega um ônibus lotado, vai para um consultório médico que fica no centro da cidade, gasta seus trocados, seu tempo e seu humor, e, ao chegar, esbaforido e atrasado, descobre através da secretária que sua hora, na verdade, está marcada para semana que vem. Sinto muito, você perdeu a viagem.

Todo mundo já passou por uma situação assim, de estar no lugar errado e na hora errada por pura distração. Acontecendo só de vez em quando, tudo bem, vai pra conta dos vacilos comuns a qualquer mortal. O problema é quando você se sente perdendo a viagem todos os dias. Todinhos. É o caso daqueles que ainda não entenderam o que estão fazendo aqui.

Estão perdendo a viagem aqueles que não se comprometem com nada: nem com um ofício, nem com um relacionamento, nem com as próprias opiniões. Estão sempre flanando, flutuando, pousando em sentimento nenhum, brigando por idéia nenhuma, jamais se responsabilizando pelo que fazem, pois nada fazem. Respirar já lhes é tarefa árdua e suficiente. E os dias passam, e eles passam, e nada fica registrado, nada que valha a pena lembrar.

Estão perdendo a viagem aqueles que, em vez de tratarem de viver, ficam patrulhando a existência alheia, decretando o que é certo e errado para os outros, não tolerando formas de vida que não sejam padronizadas, gastando suas bocas com fofocas, seus olhos com voyeurismo, sem dedicar o mesmo empenho e tempo para si mesmo.

Estão perdendo a viagem aqueles preguiçosos que levam semanas até dar um telefonema, que levam meses até concluir a leitura de um livro, que levam anos até decidir procurar um amigo. Pessoas que acham tudo cansativo, que acreditam que tudo pode esperar, que todos lhe perdoarão a ausência e o descaso.

Estão perdendo a viagem aqueles que não sabem de onde vieram nem tentam descobrir. Que não sabem para onde ir e nem tentam encontrar um caminho. Aqueles para quem a televisão pode tranqüilamente substituir as emoções.

Estão perdendo a viagem aqueles que se entregam de mão beijada às garras do tédio.

_____________________________________________________________

You ask the boss to leave work early, take a crowded bus, go to a doctor who is in the city center, spend your bucks, your time and your mood, and when he arrived, breathless and late, discovers through answering his time, in fact, is scheduled for next week. Sorry, you missed the trip.

Everyone has gone through a situation like this, being in the wrong place and the wrong time for pure distraction. Happening only once in a while, okay, will account for the wandering common to any mortal. The problem is when you feel losing the trip every day. Todinhos. This is the case of those who have not understood what they are doing here.

Are losing those who travel do not commit to anything: neither a letter nor a relationship or with their own opinions. They are always loitering, floating, landing in any sense, fighting for no idea, never taking responsibility for what they do, because they do nothing. Breathing them is already enough and arduous task. And the days go by, and they go, and nothing is recorded, nothing worth remembering.

Are losing those who travel, instead of treating living, are patrolling the existence of others, decreeing what is right and wrong for others, not tolerating life forms that are not standardized, spending their mouths with gossip, with his eyes voyeurism, without the same commitment and dedicate time to yourself.
Are losing those lazy trip that take weeks to make a phone call, which take months to finish reading a book, which take years to decide to look for a friend. People who think exhausting all who believe that everything can wait, everyone will forgive the absence and neglect.

They are losing the trip those who do not know where they came from or try to find out. They do not know where to go and not try to find a way. Those for whom television can seamlessly replace the emotions.
Are losing those who indulge trip for granted the clutches of boredom.
Martha Medeiros