Páginas

Guerra dos Farrapos

Guerra dos Farrapos

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Novo texto de Tico Santa Cruz ( New text Tico Santa Cruz )


A sociedade vai encontrando seus padrões e tentando anular ou afastar aqueles que não se encaixam. Os que aceitam sem questionar vão se adaptando e sem perceber vão criando expectativas, desejos e fantasias vendidas por aqueles que ditam os padrões. Querem roupas iguais, carros iguais, comportamentos iguais, corpos iguais, cabelos iguais, músicas iguais, querem ser iguais. Sendo iguais se sentem aceitos e todos queremos ser aceitos. Inclusive aqueles que não querem ser iguais.
Mas os que não se adaptam, os que não desejam seguir os padrões, também estão inseridos dentro desta sociedade e também buscam reconhecimento. Talvez não pelo que possuem, ou pelo que ostentam, mas pelo que fazem. E o que fazem por não estar dentro dos padrões, normalmente acaba se tornando desprezível, invisível ou inconcebível.
Mas quando o diferente consegue furar o bloqueio imposto pelo padrão e quebra o paradigma e cria-se o novo padrão. Então aqueles que antes o desprezavam e ignoravam, passam a querer fazer uso dos "novos" elementos. Ou seja, apenas aqueles que suportam os estigmas, o desprezo, o preconceito e a indiferença imposta pelo padrão é que acabam desenvolvendo novos caminhos para a sociedade.
Precisamos de todos aqueles que não se enquadram, pois são os que desenvolverão outras maneiras de ver e viver o mundo.
Por isso é tão importante ter personalidade própria e não se deixar levar pelas críticas ou pelo desejo alheio de marginalizar o que não se enquadra nas normas estabelecidas.
Quem são essas pessoas que pensam que podem ditar como devemos nos vestir ou como devemos amar?
Quem são essas pessoas que pensam que podem dizer no que devemos crer ou como devemos nos comportar?
Quem são estes que crêem que tenhamos de nos curvar a forma que eles enxergam o mundo, as coisas e as outras pessoas?
Respeitar a minha natureza é uma maneira que encontrei de conseguir sobreviver e me adaptar ao que o padrão impõe sem ser engolido por esse padrão e com isso buscar o que me faz feliz, da forma como me faz feliz.
Não é fácil conviver com gente que não aceita o cabresto, mas o amor verdadeiro é capaz de suportar e mais do que isso, superar e entender que - EXISTEM PESSOAS QUE NÃO SÃO CAPAZES DE ACEITAR QUE TUDO DEVE SER COMO É SIMPLESMENTE PORQUE DIZEM QUE AS COISAS SÃO ASSIM.
Apenas quem ama de verdade, seja amigo, parceiro, companheiro ou companheira é capaz de ver além do que o padrão insiste em impor e quando isso acontece, ai sim podemos dizer - É AMOR.


por Tico Santa Cruz - Detonautas
__________________________________________________________________________

The company is finding its patterns and trying to cancel or dismiss those that do not fit. Those who accept without question will adapt and without notice are creating expectations, desires and fantasies sold by those who dictate standards. They want the same clothes, same cars, same behavior, same bodies, same hair, same music, they want to be equal. Being equal feel accepted and all want to be accepted. Even those who do not want to be equal.
But those who do not adapt, those who do not wish to follow the standards, are also included within this society and seek recognition. Maybe not for what they have, or the bearing, but for what they do. And they do not fall within the standards typically ends up becoming worthless, invisible or inconceivable.
But when the other can break the blockade imposed by the standard and break the paradigm and creates the new standard. So those who once despised and ignored, are wanting to make use of the "new" elements. Ie, only those that support the stigmata, contempt, prejudice and indifference imposed by default is that they develop new ways for society.
We need all those who do not fit, they are those who develop other ways to see and experience the world.
Why is this so important to have personality and not to be swayed by criticism or by the desire of others to marginalize what does not fit the standards.
Who are these people who think they can dictate how we should wear or how to love?
Who are these people who think they can say what we believe or how we should behave?
Who are those who believe that we have to bow the way they see the world, things and other people?
Respect my nature is that I found a way to survive and adapt to what the standard requires without being swallowed by this standard and thus find what makes me happy, the way it makes me happy.
It is not easy to live with people who do not accept the halter, but true love can endure and more than that, overcome and understand that - THERE ARE PEOPLE WHO ARE NOT ABLE TO ACCEPT THAT ALL SHOULD BE LIKE WHY IS SIMPLY SAY THAT THINGS ARE SO.
Only those who truly love, be a friend, partner, companion or partner is able to see beyond what the standard insists on imposing and when that happens, oh yes we can say - It's LOVE.


by Tico Santa Cruz - Detonautas