Páginas

Guerra dos Farrapos

Guerra dos Farrapos

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Os 2 Segredos para o Sucesso de Arnold Schwarzenegger ( The 2 Secrets to Success from Arnold Schwarzenegger )

video



Muitos me perguntam qual o segredo para o sucesso.
Existem duas regras.
Primeiro, trabalhe pra valer.
Segunda, nunca ouça aos que dizem não.
Tem muita gente querendo virar ator, gente que foi rejeitada.
Mas nunca tome um não como resposta.
Nunca ouvi as pessoas negativas.
Lembro de quando estava entrando no fisiculturismo na Áustria.
Eu queria ser um campeão.
Diziam que seria impossível, que eu não seria campeão.
Talvez pudesse ser campeão de futebol ou de ski.
Mas jamais de fisiculturismo.
Que era algo de fora, e eu nunca venceria.
Eu não ouvi o que disseram,
E fui campeão mundial 13 vezes seguidas.
Nunca ouça aqueles que duvidam de você.
Foi igual quando tornei-me ator.
Queria entrar no cinema e ser bem sucedido.
Disseram logo de cara que isso seria impossível.
“Olhe ao seu corpo, você é muito musculoso.”
“Você pesa 113kg.”
“Estamos nos anos 70, Arnold os atores modelos de hoje são
Dustin Hoffman, Al Pacino, Woody Allen.
Eles são os símbolos sexuais. Não você, esse monstro!
Nunca vai dar certo!
Sem falar o seu sotaque.
Nunca houve alguém famoso aqui com um sotaque desse.
Nunca vai acontecer.”
Bem, eu não os ouvi e continuei evoluindo.
Também reclamavam do meu nome.
“Imagino você com esse seu sobrenome estranho nos outdoors.
Vão lotar os cinemas só por você.”
Eu não liguei pra eles.
Segui em frente, fui bem sucedido e fui até o fim.
Fiz os filmes que queria, tive a carreira que desejei.
Então essa é uma lição para todos vocês.
Nunca aceite um não como resposta.
Esse é o segredo.

_________________________________________________________________

Many ask me what the secret to success.
There are two rules .
First , work in earnest .
Second , never listen to those who say no .
There are many people wanting to become an actor , people who have been rejected .
But never take no for an answer .
Never heard negative people .
I remember when I was getting into bodybuilding in Austria .
I wanted to be a champion .
Said it would be impossible , I would not be champion.
Maybe he could be champion football or skiing .
But ever bodybuilding .
It was something outside, and I could never win .
I did not hear what they said ,
And I was world champion 13 times in a row .
Never listen to those who doubt you.
It was the same when I became an actor.
Wanted to enter the film and be successful .
Said right away that this would be impossible .
" Look to your body , you are very muscular . "
" You weigh 113kg . "
" We are in the 70s , Arnold actors models today are
Dustin Hoffman , Al Pacino , Woody Allen .
They are the sex symbols . Not you , this monster !
Never gonna work !
Not to mention his accent .
There was never anyone famous here with an accent that .
Never going to happen . "
Well , I did not hear them and kept evolving .
Also complained of my name .
" I imagine you with that surname in his strange outdoors .
Will flock to the theaters just for you . "
I have not called them .
I moved on , I was successful and went to the end.
I made the films he wanted, had the career he wanted.
So this is a lesson for you all.
Never take no for an answer.
That's the secret .

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Ansiedade em vão - Martha Medeiros - ZH 14.05.14 ( Anxiety in vain - Martha Medeiros - ZH 14:05:14 )

 


"Não conhecia o Iago, o rapaz que entrou na contramão na ponte do Guaíba e percebeu tarde demais que o vão estava levantado. Ele não conseguiu frear a tempo, caiu e abreviou sua vida por causa de uma aflição.

Não sei detalhes da história, a não ser que ele estava atrasado e que não conhecia bem os meandros de entrada e saída de Porto Alegre. Tinha um carro na mão, um relógio fazendo tic-tac e uma entrevista marcada, e já passava da hora: quem tem o mínimo de responsabilidade sabe que compromissos existem para serem cumpridos.

Uma das razões de o Brasil ser essa bagunça colossal é que a palavra compromisso, para a maioria, não tem o menor valor.

Para Iago, tinha. Mas até onde devemos sucumbir ao desatino? Se o plano inicial começou errado, melhor não emendar com novos erros. Um atraso normalmente acarreta excesso de velocidade, estacionar em local proibido, estresse, e tudo isso para quê? No caso do garoto, o desespero resultou numa fatalidade.

Mais vale aceitar nossos vacilos sem buscar uma correção afobada. Falhou, está falhado. Respire fundo e vá tomar um café. Celular também existe para isso: “Não consegui chegar, desculpe”.

Claro que ele não cogitou morrer. Pensou no máximo na perda de emprego, de oportunidade, de promoção, de seja o que for que a entrevista significasse. Ele apenas quis correr atrás do prejuízo. E no caminho não viu as placas de sinalização, todas de costas para ele.

A aflição é como um sol traidor, aquele que bate de frente e te cega.

Para muitos, foi apenas um acidente com características incomuns. Para mim, foi um aviso: não vale a pena sacrificar a vida pelo bom-mocismo.

Já fiz o que ele fez. Já me perdi por ansiedade, já me senti devedora por não cumprir o combinado, já tentei consertar estragos numa tentativa presunçosa de extirpar o erro da minha biografia. Ora, um erro ou outro, o que é que tem? Aquele que não se permite uns desacertos se desumaniza pela insistência em ser perfeito.

Pressupondo que eu esteja certa a respeito da angústia do Iago, ela me fez sentir total empatia com a situação dele. Naqueles segundos finais antes de cair da ponte, ele deve ter pensado: “O que fui fazer!”. Está feito. Mas ficou o recado: sejamos todos mais atentos, porém menos ansiosos. A ansiedade não serve para nada, ela apenas faz com que tentemos superar a nós mesmos. “Superar a nós mesmos” é uma bonita frase de efeito, mas induz a uma competição besta: o vencedor e o perdedor são a mesma pessoa."
_________________________________________________________

" Do not know the Iago , the guy who went against the grain in the bridge Guaiba and realized too late that the will was lifted. He could not brake in time , fell and shortened his life because of an affliction .

I do not know details of the story , except that he was late and he did not know well the intricacies of entry and exit of Porto Alegre . Had a car in hand on a clock ticking and a marked interview, and it was past time : who has the least responsibility knows that there are commitments to be met.

One of the reasons Brazil is this colossal mess is that the word commitment , for most , has the lowest value.

To Iago , had . But how far should we succumb to madness ? If the initial plan started wrong, better not mend with new errors . A delay usually entails speeding, parking in prohibited place , stress, and all for what ? In the case of the boy , the despair resulted in a fatality.

Better accept our wandering without seeking a flustered correction. Failed , it failed. Take a deep breath and go have a coffee . Cell also exists for this: "I could not get , sorry ."

Of course he did not cogitate die. Thought the maximum in the loss of jobs, opportunity , promotion, whatever that meant the interview . He just wanted to do damage . And on the way he saw signposts , all back to him .

Distress is a traitor sun, one that flies in the face and blind you.

For many it was just an accident with unusual characteristics . For me it was a warning : it is not worth sacrificing your life for good - mocismo .

I've done what he did . I've lost myself for anxiety already felt by the debtor fails to meet the combined 've tried to repair damage in presumptuous attempt to root out the error of my biography . However , an error or the other , what is ? He who does not allow a few mistakes it dehumanizes the insistence on being perfect.

Assuming I'm right about the anguish of Iago , she made me feel complete empathy with his situation . In those final seconds before falling off the bridge, he must have thought, " What have I done " . 're Done. But got the message : we are all more aware , but less anxious. Anxiety serves no purpose , it just makes us try to overcome the same . " Overcoming ourselves " is a lovely soundbite , but induces a crossbow competition: the winner and the loser are the same person . "